terça-feira, 15 de agosto de 2017

Praia de São Lourenço

Uma neblina alta e cinzenta tomou conta do azul do céu, o seu reflexo sentiu-se no mar.
As falésias estavam escuras, oxidadas, velhas e cansadas, sombrias sem sol.
A maré recolheu-se, deixou uma linha de algas para trás, acalmou a tal ponto que as ondas molhavam apenas dos dedos ao calcanhar, a água estava fria e o vento deixava-a vazia de gente.
As barreiras e chapéus multiplicavam-se aos poucos, mas eram apenas desejos de que o Sol voltasse a brilhar.
Andei pelas falésias, pelas rochas, pelas algas, pela água, mas a melancolia de fim de férias levou-me ao abrigo a desenhar...

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Atmosferas

Atmosferas

Devido a uma conjunção de astros fiquei outra vez por Santa Cruz, foi daqueles dias sem vento e com um mar paradisíaco de olhar (sim, porque a água estava mesmo gelada).
Enquanto aquecia os ossos, depois de algumas ondas de gelo liquido, voltei ao que me tem desafiado mais, pintar manchas, o dia estava bastante quente e a praia merecia uma atmosfera emotiva.

Há algum tempo li um artigo sobre Leonardo da Vinci, Fernando Pessoa, entre outros, sobre o sentir, a energia sentimental e a sua conversão racional, os percursos pessoais e a suas influências emocionais na criação artística.
Não é novidade, é algo muito interligado que me influenciou a deixar de desenhar, mas pareceu-me muito interessante no aspecto de alguns mestres redireccionarem certas energias emocionais. Há algum tempo que o tento fazer de forma a alterar a minha forte influência racional e não posso dizer que desenhe melhor, mas de certo, leva-me a procurar fracções da realidade de forma diferente, de modo a me satisfaça tanto no processo criativo como na minha interpretação pessoal do local naquele momento.

Gosto de ir alterando técnicas e grafismos, até me surpreendo como ainda não pequei de novo em linhas, mas às vezes basta um simples contraste, aqui fica mais um vista de Santa Cruz enquanto quase toda a gente almoça.

sábado, 12 de agosto de 2017

Sem Caneta

O desenho leva-me a pensar de forma mais concisa e esta abre portas para um desenho melhor.

Santa Helena terá aparecido em Santa Cruz, daí ser a sua padroeira, segundo os monges tinha uma expressão triste e amuada, dando assim origem ao nome da Praia da Amoeira, um dos meus spots favoritos.

A Praia da Amoeira tem melhor acesso com a maré vazia, desta vez tinha uma plateia de areia com três metros de altura e o panorama rochoso estava mesmo apetecível, havia algumas pessoas na água mas mergulharam todas quando viram que as podia retratar ;)
 Depois de andar com a minha irmã a verificar que alguns parques de estacionamento estavam cheios, deixamos o carro numa falésia e fizemos uma caminhada sobre os penhascos até à Praia dos Quarenta, queria experimentar uma caneta nova mas não sei o que me aconteceu, só me apetece fazer manchas...
O desenho às vezes parece a maré, esvazia o pensamento assim como o enche, tem momentos de inspiração, de erros, de reflexão, revela medos e surpresas, nem sempre se descobre algo novo, na folha vazia lança-se o anzol... o resto fica na minha história.

Praia do Navio

O Oeste é banhado por muitas praias, na zona de Santa Cruz existem cerca de vinte, com ou sem rochas, pelos acessos mais variados, desertas ou cheias de gente, com mar para todos os gostos menos água quente.

Neste desenho, no aglomerado de chapéus, fica a Praia do Navio, onde um navio descansa enterrado na zona da rebentação, com a maré muito vazia às vezes é possível ver dois vestígios do navio, talvez do casco ou dos mastros.

Nos Verões da minha juventude era fácil ver dois vestígios do navio, um metro de lamina esburacada e enferrujada, e mais adiante, na maré vazia, aparecia também algo semelhante a uma pedra quadrada mas de madeira ou metal, com o passar do tempo ficou mais enterrado e torna-se mais difícil detectar.

Foi o navio norueguês Hay que encalhou aqui a 5 de Fevereiro de 1929, nenhum marinheiro se magoou e a carga, na maior parte, cigarros ingleses e chocolate, foi vendida localmente.
No restaurante da praia pode ser vista uma fotografia do acontecimento, teria sido um óptimo pretexto para desenho.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Nocturno em Santa Cruz

Sexta-feira organizamos um mimo, algo diferente para juntar aguarelistas e sketchers a desenhar durante a noite.
O tempo mudou e a noite não teve céu estrelado, o manto de luz da Lua Cheia não se notou e o mar de azul negro profundo e reflexos saltitantes ficou oculto no chuvisco da neblina...
Depois de alguns reencontros e troca de histórias emocionantes dispersamos pela rua comercial principal, os veraneantes adoraram e alguns ficavam colados a ver coisas a nascer no papel, as crianças queriam ficar a pintar.
Usei uma folha grande com ecoline, num papel mansinho para mestres e rebelde para amadores.
 Depois de estar com alguns miúdos que adoraram as manchas experimentais, provavelmente porque ainda não tinha ligado a lanterna, mudei de sitio e fui sentar-me no chão ao pé de outros sketchers.
Liguei uma engenhoca, emprestei outra lanterna a uma miúda muito entusiasmada a pintar, preparei a aguarela e registei um pouco da multidão entre os artistas.
À direita, Filipe Reis no muro, no banco, Pedro Alves e António Procópio debruçado, entusiasmadíssimo a pintar, no centro, António Bártolo (Presidente da AAPOR – Associação de Aguarela de Portugal) no cavalete, à esquerda, Marie-Paule Dupuis (Aguarelista e Arquitecta) na sua prancheta apoiada.


Ainda fizemos a habitual partilha com os que aguentaram o chuvisco e enquanto as aguarelas ainda secavam.
Agradecimentos a todos os que aceitaram o desafio e resistiram às condições atmosféricas, à AAPOR, ao António Bártolo, que além de excelente artista tem promovido a pintura de aguarela na rua e a troca de experiências entre grupos e pessoas.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Dias de Verão

Santa Cruz em dia cinza
 Passar pelas brasas...
 Tarde sem vento


domingo, 30 de julho de 2017

Aguarelas em Santa Cruz

Santa Cruz é como uma borboleta, de manhã está envolvida numa espessa neblina, por vezes chuvisca, antes do almoço começa a metamorfose e à tarde mostra as suas asas sobre o mar.
Está a decorrer o Encontro Internacional de Aguarela de Santa Cruz com workshops e algumas demonstrações durante a semana até dia 6 de Agosto.
Hoje fui partilhar um Olá com alguns aguarelistas e sketchers presentes no evento e ainda fiquei por lá um pouco a desenhar entre conversa.
Estava muito convidativo, principalmente quando entre os copos da esplanada se começam a montar pequenos estúdios de aguarela :)

segunda-feira, 24 de julho de 2017

ENcosta Rosa

Há alguns anos atrás, nunca me passaria pela cabeça desenhar na encosta de São Vicente a vermelho com tons rosados, mas as experiências levaram-me a pegar de novo na tinta vermelha.
Conheço estas encosta quase como a palma da mão, via do destino voltei passar por estas ruas em trabalho depois de há muitos anos atrás a percorrer regularmente para visitar os meus avós.
O objectivo deste encontro era registar espaços que mais tarde irão ser alvo de requalificação.


Não optei pelos elementos mais óbvios mas por percursos que me dizem algo de outros tempos.


No fim, o cansaço já apertava, durante a semana acabei por ficar engripado e o vento que se fez sentir não ajudou, mas fui ficando e resistindo até ao ultimo dia, a companhia foi ficando cada vez melhor e existem oportunidades que não se podem passar.
As casas vazias também tem histórias, esta não era dos meus principais objectivos, mas estava cheia de pistas interessantes de outros tempos.

ENcosta com António e Susana

Quando consegui ir ter com o António Procópio, ele já estava a devorar escadas... o seu primeiro desenho estava muito bom, mas ao procurar dar sombras, ficou mastigado. Depois de alguma conversa andou às voltas com o grafismo e decidiu fazer outro... mais simples, onde se percebia melhor a distorção e a geometria da escada.Segundo ele tem de ser algo imediato, o primeiro desenho sai-lhe sempre melhor, comigo é contrário, preciso sempre de algum tempo para encontrar o ritmo do processo de desenhar, principalmente depois de uma caminhada com escadas...A Susana veio juntar-se a nós mais tarde, estava a desenhar a senhora da casa no topo das escadas.


A meio da semana encontrei o António a desenhar junto à rua marginal da encosta, cheia de movimento. Pensava eu que já havia algum cansaço mas não, a Susana apareceu e foram os dois explorar a Cruz das Almas enquanto o meu desenho lento me levou a ficar ali mais um pouco de pé, quase na estrada, a desenhar. Quando me juntei ao António, ele já tinha um desenho novo, ainda fomos descobrir pérolas no meio do mato mas a hora de jantar não deu para mais desenhos.

Antes do encontro de sábado ainda me juntei a alguns reforços ansiosos por desenhar a encosta, consegui voltar a ver os sketchers residentes e assegurar o apoio moral.
O António ficou ao pé da taberna e depois infiltrou-se no quintal de um vizinho habilidoso, a Susana estava com a Ana Ramos a cozinhar uma vista da rua, fiquei ali com elas e mais tarde juntou-se a Lurdes, ainda apareceu um gato preto cheio de teias de aranha na testa para ver o que andávamos a fazer mas ninguém o conseguiu desenhar.

À noite ainda tivemos algumas visitas fantásticas, a sabedoria do Pedro Alves e a hiper boa disposição da Rita Catita, a Maria Inês também se juntou, mas da noite, entre histórias, sobraram mais boas memórias do que desenhos. Uma semana fabulosa ;)
Não me canso de agradecer, além das entidades envolvidas, ao André Baptista por toda a dedicação e aos dois grandes sketchers residentes que acabaram por marcar a vida das pessoas da Encosta de São Vicente.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Vimeiro

O regimento dos Oeste Sketchers juntou-se e foi fabuloso, registou o que conseguiu da recriação histórica da Batalha do Vimeiro de 1808, fizeram registos debaixo de fogo cruzado e com grande "instinto de sobrevivência". 
Nesta batalha não fui fardado mas andei a espiar as tropas do inimigo, o primeiro desenho não começou bem mas acabou por mostrar os sketchers e a população à espera do evento com linhas, depois em manchas, as tropas, portugueses de castanho e camponeses de cinza escuro, ingleses de vermelho e franceses de azul.


À tarde havia animação na feira oitocentista e a variedade de mercadores era impressionante. Enquanto alguns ficaram a desenhar pessoas e fardas, ou a degustar a bela filhós, eu resolvi procurar uma zona calma e mais despercebida com vista para a paisagem do campo de batalha, onde o acampamento militar se mostrava deserto.
Acabei o bloco com um desenho panorâmico, vai deixar saudades, o resto foi convívio ;)